No final somos de nós mesmo. Sempre!

Somos seres sociáveis, lógico, mas às vezes levamos isto a consequências extremas, e na ânsia muitas vezes de não assumir as responsabilidades sozinhos gostamos de dividir e noutras vezes transferir algumas responsabilidades. Temos de assumir de vez por todas que somos os únicos, exclusivos responsáveis pela nossa felicidade e não podemos repassar e cobrar de outros disto.

Às vezes passamos por muitos momentos gastando nossas energias, cobrando que alguém nos faça feliz e esquecemos que somos os únicos responsáveis por isto, somos donos de nós mesmos, estamos no controle de nossas emoções, nossos desejos e vontades, mas não temos o poder de controlar os outros, no máximo por um certo tempo podemos até manipular, mas jamais por todo o tempo.

Não somos a razão da vida de ninguém e também não precisamos desesperadamente de ninguém, somos sociáveis, mas o bastante para nos bastar.

Podemos pensar e fazer qualquer coisa, pode até demorar algum tempo, mas vamos descobrir que no final somos os únicos responsáveis pela nossa felicidade, mesmo que encontremos alguém que seja a nossa “metade” e que tenhamos a sensação que encontramos a felicidade. Ledo engano, não encontramos, só iremos ser felizes se a nossa metade for boa o bastante para ser feliz conosco mesmo.

images

Você ouve seu coração?

Bem, não existe balela maior que esta. O único barulho que o coração faz é o compasso da pulsação do bombeamento do sangue para todo o corpo. Na verdade ele não diz nada, apenas, por uma licença poética, resolvemos adotar que temos dois órgãos em eterno conflito (ou não) o coração a emoção e o cérebro a razão, quando na verdade isto não existe, somos apenas nós contra nós mesmos, uma eterna batalha entre dois sentimentos, razão e emoção, onde alguns entendidos insistem em dizer que não podem conviver de forma pacifica.

Não sou um nerd, mas sempre gostei de filmes de ficção e séries, e uma das minhas preferidas sempre foi Jornada nas Estrelas, com o eterno  Capitão Kirk e o seu oficial de ciência Mr. Spock, o primeiro a emoção e o segundo a razão. Não vou me estender neste assunto, mas, Mr. Spock é um vulcano onde não tem sentimentos e tudo que faz pauta pela razão (o que não é totalmente verdade) e o capitão Kirk que prefere decidir pela emoção. Bem, porque estou falando disso. Simples, o ser humano tende a quase sempre descartar um destes sentimentos em detrimento do outro, como se fossem totalmente análogos e opostos, de planetas diferentes.

Somos seres humanos dotados de um cérebro que comanda tudo, inclusive nossas emoções e convive com a razão de forma harmoniosa isto se tivermos capacidade o suficiente de saber interpretar os sinais que a vida fornece.

Então temos de acabar de uma vez por todas com esta conversa de coração e cérebro. Nós temos o nosso livre arbítrio de escolher entre o certo e o errado, entre o bem e o mal, entre querer viver de uma forma ou de outra, de querer se apaixonar e viver um grande amor ou se contentar na mesmice. Então quando ouvirmos em uma canção, “escute o teu coração” na verdade olhe para dentro de você, e escute o seu pensamento, escute sua razão, escute sua emoção e decida pelo aquilo que vá lhe fazer feliz, que vá lhe fazer uma pessoa melhor. Nunca se esqueça que é você que esta decidindo por si mesmo, mesmo que você aceite conselhos de outra pessoa, a decisão final sempre será sua, assim como as consequências. Eu decidi ser feliz. Razão, emoção, isto pouco importa.

file_5230df74c0096

Leite, torrada e mel

Este é o titulo de uma musica da banda sueca Roxete. Hoje é véspera de uma eleição que vai definir (novamente) os rumos do nosso País. Quantas vez já ouvi isso na minha vida. Apesar de todos os desmandos de tudo que está ai, o Brasil ainda se mostra maior que o abismo. Até quando? Não tenho a mínima ideia. Mas a ideia básica é que não quero falar disso não. Prefiro falar de leite, torrada e mel, onde você toma o seu café num sábado como hoje sombrio e escurecido pela chuva e na verdade não quer muito saber das noticias, do debate de ontem, das noticias da VEJA ou qualquer outra denuncia bomba.

Neste momento, quero apenas celebrar o que é bom, e o que acontece de bom em nossas vidas. As pessoas são diferentes, entretanto algumas insistem que para ser feliz tem de abraçar uma religião, tem de ajudar o próximo, tem fazer boas ações, afinal para ser feliz não pode se omitir, tem dê estender a mão para o próximo. Respeito e apoio estes pensadores. Mas, a felicidade por si só não existe, e cada pessoa dentro de si vai administrar este sentimento assim como outros para entender o isso realmente seja.

Para alguém ser feliz basta as vezes uma simples palavra, para outros um café com pão, ou um simples almoço. As vezes somos felizes mas não sabemos, outras vezes somos exigentes demais com este negócio de ser feliz e deixamos escapar muita coisa. Noutras acreditamos ser felizes e voltamos no negócio de zona de conforto, onde estamos na verdade acomodados. E assim, quem sou eu pra ficar discorrendo sobre este tema complexo que é a felicidade ainda mais querendo analisar outras pessoas.

Neste exato momento só quero me administrar e nem querer entender, apenas aceitar que quando a felicidade acontece você simplesmente utiliza daquela máxima “Vai ser feliz”, simples assim. De onde vem a felicidade, de onde vem o amor, como diz a musica pode até cair do céu, pode esbarrar na mesa de um bar, até no mundo virtual, mas temos de estar atentos para reconhecê-lo e ser reconhecido. E quando isto acontece você parte para pular os obstáculos, tirar algumas dores, e deixar apenas o sentimento bom continuar e não importa o lugar (onde), a distância (tempo) basta ter a certeza com quem você quer estar.

5852738118_f68ed46277_z